Debates Teóricos

Ataque Funcional: história e conceito

Em 1969, Milan e Estudiantes disputavam o mundial de clubes. Heriberto Herrera, técnico da Inter de Milão, aconselhou Osvaldo Zubeldía, técnico do Estudiantes, a imitar a estratégia dos húngaros: sobrecarregar um lado do campo com vários jogadores próximos. Em 70, o Brasil buscava essas aproximações com um meia partindo da esquerda (Rivellino) e um ponta-de-lança …

Ataque Funcional: história e conceito Leia mais »

The Exceptionality of Brazilian Football

I provided this preamble to introduce a series of responses regarding the misuse (intentional or due to unpreparedness) of the term ‘functional attack’ (or relationism). Most people who opine on the topic have not read the texts and reflections I have produced on Medium or in threads, but they are dealing with a precarious idea – poorly reflected upon – of its meaning.

Futebol enquanto sintoma de um Brasil sem identidade

O futebol não é só um jogo. É uma forma de vida. É uma cultura. Se você não respeita e não compreende sua cultura, você perde sua identidade. Sem identidade você não cria, não imagina, não supera os obstáculos do jogo e da vida. A sanha em reproduzir o estilo de jogo europeu evidencia que …

Futebol enquanto sintoma de um Brasil sem identidade Leia mais »

A EXCEPCIONALIDADE DO FUTEBOL BRASILEIRO

Devemos beber de todas as fontes e aprender com elas. No entanto, a nossa excepcionalidade não foi fruto de uma imitação estéril, mas da construção virtuosa de nossa cultura e sensibilidade através do jogo de rua. Ninguém pode explicar ou reproduzir isso, mas pode reconstruir o futebol de rua em atividades que propiciem a descoberta.

O que é o futebol?

O futebol é um jogo que escapa à teorização. Como rola a bola, rolam os conceitos que tendem a restringir essa liberdade. Mas o futebol também é esse processo de procura num quadro onde todos os eventos do passado podem ser conjugados no presente. Desde o seu primeiro dia, uma excelente forma de na procura de respostas continuar a melhorar as perguntas que fazemos.

Rolar para cima