jogo de posição

O “ethos” do jogo incorporado em Jude Bellingham

Fetiche do produto  Comum à tecnocracia instalada no esporte, a atividade de produzir cada vez mais, acumular e negociar, é um fenômeno do futebol (e seu alto-rendimento) que marca o triunfo das “linhas de montagem” na forma como se percebe o jogo.  Atrelado aos processos e mudanças globais dos anos 90. O exercício de jogar …

O “ethos” do jogo incorporado em Jude Bellingham Leia mais »

Guardiola e Stones

Four Center Backs: The New Trend of Positional Play

What does Manchester City gain with Akanji as a midfielder in a 2-3-5 formation? How does Arsenal benefit from having Tomiyasu and Ben White orchestrating plays from the inside in the very same 2-3-5? And finally, how does this sustain itself in a model that, at the high level it is executed, should demand players with the highest technical quality and skills? Center-backs, who are undoubtedly the best in the world and have unparalleled ball-playing abilities, are capable of fulfilling these functions… Well, let’s proceed with the analysis.

Guardiola e Stones

Quatro zagueiros: a nova tendência do Jogo de Posição

O que o Manchester City ganha com Akanji como meio-campista num 2-3-5? Como se beneficia o Arsenal tendo Tomiyasu e Ben White armando as jogadas por dentro no mesmíssimo 2-3-5? E, por fim, como isso se sustenta num modelo que, no nível tão alto que é executado, deveria exigir os jogadores com maior qualidade técnica e habilidade? Zagueiros, e é claro que são os melhores do mundo e de capacidade ímpar com a bola nos pés, são capazes de cumprir as funções…Enfim, vamos à análise.

Jogo de Funções, não Posições

O Relacionismo e seu Jogo Funcional têm sido motivo de muitas discussões no mundo tático do futebol e, agora, um ano desde a ascensão global de Fernando Diniz, houve um progresso significativo na delimitação desse estilo tático e no que ele significa para o futuro. Com uma alternativa tão distinta sendo introduzida, a dominância avassaladora do Jogo Posicional no futebol atual ficou clara, se é que já não estava. Diante dessa reflexão e agora com uma perspectiva contrária, talvez o panorama tático possa entrar em uma nova era, a era da Tropicália, ou uma fusão de ideias.

Rivellino com a camisa da seleção brasileira

Ouvidos a Rivellino

Há uma inversão de narrativa sendo feita por quem defende que o jogo de posição é plenamente praticável em qualquer contexto. Segundo eles, ocorre uma “demonização” dessa cultura. Para início de conversa, esse estilo de jogo se tornou, sim, hegemônico na esfera do debate futebolistico. Após o sucesso de Pep Guardiola no Barcelona, a figura …

Ouvidos a Rivellino Leia mais »

Rolar para cima